Meio Ambiente luta para sobreviver

mqdefaultPois não é que as entidades e ambientalistas que combatem o crime contra o Meio Ambiente, seja aqui no Estado de São Paulo ou na floresta Amazônica estão no mato sem cachorro? Tanto lá, como aqui, faltam recursos técnicos, logísticos e financeiros do governo federal para que  as policias ambientais cumpram com eficiência e zelo suas atribuições. As missões são cumpridas porque seus efetivos são abnegados e heroicos ambientalistas, por natureza. Mesmo que a jurupoca pia, eles cumprem suas missões.
No Sul do Estado do Amazonas, pela BR-230 (Transamazônica), depois da cidade de Humaitá, saem caminhões e caminhões de toras de madeiras de lei e me ligaram afirmando que as madeiras ou têm notas fiscais frias ou Planos de Manejos falsificados ou de outros locais, inclusive do vizinho Estado do Pará onde é comum extrair ilegalmente madeira de reservas federais ou de áreas indígenas.

Para mim é mera coincidência, uma vez que há poucos anos descobri que até servidores do IBAMA estavam de conluio com um empresário fugitivo de Mato Grosso, pelo mesmo crime e, formaram uma quadrilha para extrair madeiras ilegais das  terras indígenas e da União no Sul do Amazonas.

A Polícia Federal foi lá a pedido do Procurador Geral do IBAMA, em Brasília, e, após constatar que minhas informações eram verdadeiras, uma dezena ou mais de serrarias ilegais foram lacradas e 17 pessoas presas, inclusive o chefe local do IBAMA e o falso empresário que havia feito a mesma coisa em Alta Floresta, no Mato Grosso. Após a ordem de prisão preventiva federal, ele fugiu de Alta Floresta e foi morar em Humaitá-AM, onde eu o descobri fazendo minhas reportagens investigativas. Parece que no crime organizado é assim, a polícia prende um chefão hoje aqui, e amanhã outro assume seu lugar, coisa de máfia mesmo!

Todavia, os que burlam a lei, deveriam saber que o crime não compensa mesmo! Caso contrário, os presídios estariam vazios, não?

Exemplo de trabalho feito com astúcia e serviço de inteligência foi o que fez a Polícia Ambiental aqui em São José do Rio Preto nas últimas horas e que resultou em sucesso absoluto.

Além de fiscalizar centenas de rios e pequenos córregos, como dizem no Sudeste (no Norte dizemos igarapés), os policiais ambientais apreenderam madeiras ilegais, cães usados por caçadores de animais silvestres, e armas. Houve prisão de caçadores em flagrante e altas multas foram aplicadas pelos homens da lei.

Segundo informou o chefe da editoria do diário dhojeinterior.com.br, Franklin Catan, a Polícia Ambiental batizou o seu trabalho de “Operação Tríade” e, ela vai continuar a todo vapor até a próxima semana.

Segundo informações do comando da Polícia Ambiental, a “Operação Tríade” tem como objetivo diminuir os incêndios florestais nesta época de seca, fiscalizar o transporte de madeiras no Estado e coibir a ação de caçadores de animais silvestres na região. Até o momento, oito armas já foram apreendidas.

Segundo os meteorologistas, a região de Rio Preto continuará sem chuvas e com tempo seco, além de prejudicar a saúde das pessoas, também propicia a propagação de incêndios. O mesmo ocorrerá nos estados que fazem divisa com o Sul do Amazonas que enfrentam também forte calor e falta de chuvas que deve durar até o início de outubro, quando começa o chamado “inverno amazônico”.

Quem está gostando do clima seco na Amazônia Legal, são os povos tradicionais de suas florestas, pois abundam os peixes e as caças que eles podem usar como alimento. Há muita festa nas pequenas comunidades que vão até o raiar do dia.

Quando o sol ameaça despontar, o boto deixa de ser um jovem galanteador e vira boto novamente e volta ao rio. Desse dia em diante, a moça que der à luz uma criança vai ser chamada de mulher do boto. Acredite se quiser! Quem mais gosta dessa época é minha Santa Tambura, como gosta de uma gandaia essa minha santinha!

Mas o sábio seringalista Sissi argumentou, via sinal de fumaça, que tanto lá, como aqui, é melhor prevenir que remediar, o tempo seco pode provocar grandes incêndios e levar crianças e velhos aos hospitais por falta de umidade no ar. O filósofo Zé Praxedes, grande amigo e admirador do Sissi, disse que conselho e caldo de galinha não fazem mal a ninguém. Vou! Fui! Inté!

 

Vismar Kfouri – jornalista, escritor e ambientalista. kfouriamazonia39@gmail.com – blog https://kfouriamazonia.wordpress.com/ – Contatos para palestras: 17-99186-7015.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s