O jeitinho brasileiro desapareceu?

Diante da atual conjuntura da administração interina do senhor Michel Temer, que começou errado ao colocar figurinhas carimbadas de raposas para tomar conta do galinheiro nacional, o pessoal da Calha Norte decidiu numa reunião nos cafundós da linda e pirateada floresta amazônica, analisar e mandar para o Planalto algumas sugestões para tirar a vaca chamada Brasil do atoleiro em que os políticos do governo anterior o colocaram.

Na oca do pajé Miratinga, na tribo dos Uru Eu Uau Uau, nas terras do Djaru Uaru, estavam sentados os representantes da linda e gotejante floresta tropical, que é a maior do planeta e que vem sendo sistematicamente depredada e pode interferir futuramente com maior rigor no clima mundial, se não decretarem Desmate Zero Já!

Lá estavam o sábio seringalista Sissi, o morubixaba Mapinguari, o coronel Totó, que já achou seus coturnos lá num afluente do rio Madeira, o Nézin Manguaça que não havia bebido nenhum golinho de pinga de cauim (ainda), o filósofo das selvas Zé Praxedes e o grande jornalista Dom Casmurro de influente jornal amazônico.

Após acalorados debates, surgiram sugestões que iam da hipótese de colocar na presidência do país um general de direita, importado do Egito, para colocar os políticos brasileiros nos eixos, ou convocar o Papa Francisco para exorcizar dos palácios governistas e do Congresso Nacional os maus políticos brasileiros.

Nézim Manguaça, que estava sóbrio neste dia, sugeriu implantar a pena de morte para servidores públicos de todas as áreas e também para os corruptores.

O filósofo Zé Praxedes, o sábio seringalista Sissi e o jornalista Dom Casmurro, que está um pouco acima do peso de tanto comer jatuarana assada com farinha na margem do Madeirão, tiveram a mesma ideia que este escriba e, com certeza também o decano da imprensa rondoniense, Euro Tourinho do centenário e aguerrido Alto Madeira.

A ideia deve ser implementada em noventa dias, convocando novas eleições gerais para o país, mas diminuindo o número de partidos bem como de deputados e senadores que oneram em muito o caixa da economia brasileira. Todos foram unânimes em aprovar a continuidade da Operação Lava Jato e a tornando uma ferramenta anticorrupção permanente, ideia que foi aprovada também pelos jornalistas do DHoje Interior de Rio Preto-SP.

Sissi sugeriu rasgar o atual Código Penal Brasileiro e fazer outro com penas mais duras e, quiçá, até com pena de morte para certos tipos de crimes hediondos e corruptos da pátria. Arre égua! Exclamou o manauara Dom Casmurro, um tremendo jornalista da Calha Norte, mas dando sinal afirmativo para a sugestão.

Nézin Manguaça, por seu lado, ainda sem tomar uma sequer, disse que o “o tempo urge, o povo tem fome e ele está ficando com “sede” e, por isso, as eleições devem ser convocadas imediatamente não sem antes colocar os responsáveis pelos desacertos dos governos anteriores na cadeia”. Arre égua de novo!  Esse Nézin ainda vai ser eleito pra qualquer coisa exclamou o cacique Mapinguari, acho que vão elegê-lo para ser o guardião da porta de entrada do alambique!

Enquanto isso, em Passagardas, o novo comandante continua colocando pessoas suspeitas e investigadas em cargos importantes. Se ele pensa em continuar até o final do processo de impeachment da presidenta Dilma, cometendo erros ou sendo “obrigado” a colocar raposas pra tomar conta do galinheiro, sem dúvida ele não vai chegar a lugar nenhum e a ex-guerrilheira, que colocou o país no buraco que está, poderá voltar ao trono do Palácio do Planalto. Ou isso ou o jeitinho brasileiro vai continuar. Arre égua! De novo? Nihil Est Clarior! Vou! Fui! Inté.

Vismar Kfouri – Jornalista, escritor e ambientalista. kfouriamazonia39@gmail.com Blog: https:\\kfouriamazonia.wordpress.com – Contato P\Palestras: 17-99186-7015.

Anúncios

A política como ela é no momento

Nos últimos dias temos assistidos impávidos e temerosos o que vem acontecendo aqui & acolá neste mundão de meu Deus. São tantas catástrofes naturais, guerras, genocídios, a revolta da mãe natureza contra seu maior predador, o homem, que chego a pensar que meus netos e os filhos de seus filhos não terão um porvir risonho devido o descaso dos grandes mandatários mundiais da atualidade. Arre égua!

Saibam que não foi apenas minha Santa Tambura que concordou comigo não. Os coleguinhas do diário DHoje Interior também concordaram já que são excelentes profissionais e acompanhando tim tim por tim, o que está acontecendo aqui & acolá. O mesmo devem pensar meus colegas de lá. Com certeza o Euro, o Lucio e os demais profissionais de alto nível que fazem o brilhante diário e centenário Alto Madeira na excitante capital do Estado mais pujante da Calha Norte.

Todos, sem exceção, desde o seringalista Sissi, o filósofo Zé Praxedes, o Nézim Manguaça, o pajé Miratinga e o coronel Totó concordaram em gênero, número e grau. Que o bicho homem está acabando com o planeta está sim senhor. Que o Brasil não cuida da Amazônia e de seus povos tradicionais da mais bela floresta tropical do mundo, também.

O morubixaba Mapinguari alertou que a política em sua tribo é melhor que a de Brasília. O que seu Conselho de anciões decide ele acata e coloca em andamento. São apenas medidas que vão beneficiar sua tribo onde vivem seus curumins, jovens guerreiros e suas mulheres ordeiras e trabalhadoras.

Disse ainda o grande cacique que no governo do branco tudo é na base da troca-troca, do dá cá, toma lá. O grande cacique branco não tem força pra governar sem negociar e, sempre quem sai perdendo, é o Zé Povinho que os escolheram através dos votos. Azar deles, disse o guerreiro da bela floresta tropical da Calha Norte, acrescentando que ouve sempre dos brancos a mesma frase: “cada povo tem o governo que merece,” pois  quando chega as eleições, os brancos trocam seus votos por perucas, dentaduras, telhas, panelas de pressão, cesta básica e, acabam elegendo os mesmos larápios de sempre para mandar na nação branca. É vero…

O velho seringalista Sissi, lá do interior rondoniense disse ao também amazônida e filósofo Zé Praxedes, que no momento deveria ter novas eleições, uma vez que os movimentos tanto pró como contra o governo provisório de Temer, são assessores aspones, aqueles que ganharam cargos de confiança altamente remunerados e nunca trabalharam. Por isto estão nas ruas, não querem perder as gordas tetinhas governamentais.

E, disseram ainda o pessoal de lá, que estes movimentos, tanto de esquerda como de direita, agem com medo de ficar sem a carniça, já que são autênticos urubus, mas não como os verdadeiros que são úteis dentro do sistema do meio ambiente onde vivem. Caracas!  

E mais, completaram que, o erro do presidente interino foi colocar raposas para tomar conta do galinheiro. Onde se viu um Romero Jucá (já foi afastado do governo) e outros investigados na Operação Lava Jato como ministros? Como diria o ex-presidente Jânio Quadros: “fez porque qui-lo” daí que fica aquela incógnita que os jornalistas profissionais estão analisando: “Será que ele vai até o fim das investigações da presidenta Dilma”? Vou! Fui! Inté!

Vismar Kfouri – Jornalista, escritor e ambientalista. kfouriamazonia39@gmail.com – Blog: https:\\kfouriamazonia.wordpress.com – Contatos P\|Palestra: 17-99186-7015.

Aqui & Acolá

Estou iniciando a montagem de um novo livro que tem o título de Aqui & Acolá depois de mandar “A Lenda da Arara Vermelha” para o prelo lá em Brasília. Aqui & Acolá é um livro montado com os artigos impressos no jornal DHoje Interior e que de uns tempos para cá meu velho amigo e guru rondoniense, o grande personagem da história da imprensa daquele estado, Euro Tourinho (foto acima), vem ocasionalmente editando no centenário jornal O Alto Madeira de Porto Velho, a dinâmica capital de Rondônia.

Durante o período em que trabalhei e estudei em Caracas, na época do governo Carlos Peres, fui correspondente internacional deste brilhante e aguerrido jornal rondoniense. Nem a minha Santa Tambura me prestigiou tanto quanto Euro Tourinho, daí meu apego e agradecimento sincero e eterno pelo amigo de sempre.

Sei que Euro já perto de completar 100 anos de idade, assim como seu jornal vai fazer o mesmo no dia 15 de abril de 2017, ainda continua aquele jornalista idealista, íntegro, ético e honrado que sempre foi, lutando pelo bem-estar do povo rondoniense sem nada pedir em troca. Um verdadeiro marco da mídia rondoniense, um ícone, uma lenda viva da imprensa que ainda respira tinta nas edições de todas as manhãs quando manuseia O Alto Madeira para saber se a manchete saiu ou não correta.

Por isso que a turma de cá que já foi de lá, filósofo Zé Praxedes, seringalista Sissi, pajé Miratinga, dos Uru Eu Uau Uau, morubixaba Mapinguari, Nézim Manguaça, coronel Totó e a Santa Tambura, não esquecem do Euro e de suas linhas na página dois do seu centenário jornal. E, é por isso que o segundo livro que estou tentando imprimir se chama Aqui & Acolá, pois fala da política do Sudeste e da minha amada terra rondoniense onde vivi por mais de quatro décadas e junto com uma miríade de bons profissionais, jornalistas de boa cepa e coragem, queiram ou não, ajudamos a criar um dos estados mais pujantes e forte do país.

Grandes jornalistas forjaram Rondônia, Euro sempre foi nosso líder e orientador, que o diga os que estão no segundo andar, ou os que estão “pendurando as chuteiras” como nós.  Tenho certeza absoluta que tanto o sábio seringalista Sissi quanto o Euro vão concordar com o filósofo Zé Praxedes lá dos cafundós da bela, luxuriante e pirateada floresta amazônica brasileira.

Como o conheço há décadas, sei o que ele está pensando no momento desta transição política que vivemos na atualidade. Que deveria haver novas eleições, que o PT é um partido mafioso juntamente com seus aliados que mataram prefeitos do interior paulista para manusear a arrecadação bilionária de duas cidades importantes, saquearam e liquidaram a Petrobras, estão matando de fome cerca de 11 milhões de operários que perderam seus empregos, porque tiveram suas fábricas e indústrias fechadas pelo desgoverno da ex-guerrilheira, que sofreu impeachment e que deveria ter levado consigo o senhor Michel Temer na sua esteira de ignorância política e administrativa.

A todos que leem o jornal Dhoje Interior de São José do Rio Preto-SP, e O Alto Madeira de Porto Velho-RO, podem ter confiança no que escrevemos Aqui  & Acolá. Vou! Fui! Inté!

Vismar Kfouri – Jornalista, escritor e ambientalista < kfouriamazonia39@gmail.com>Blog: https:\\kfouriamazonia.wordpress.com – Contatos P\Palestras: 17-99186-7015.

 

 

Dilma cai, Brasil com Temer tem nova chance

Finalmente volto a escrever estas mal traçadas linhas depois de ficar um bom tempo resolvendo problemas com meu novo hobee, meu rancho no rio Tietê, em Mendonça-SP. A piscina estava com problemas e fiz nova pintura e arranjos na nova “Toca do Guerreiro II”, onde vou passar meus fins de semana em companhia de minha querida amada Santa Tambura, que veio lá da amada e pirateada Amazônia.

A situação política ficou em segundo plano porque dava nojo ouvir o imbróglio do desgoverno da dona Dilma e seu companheiro barbudo tentando enganar o Zé Povinho com suas mentiras deslavas, com apoio total e irrestrito do PT, PDT e PSOL, que foram defenestrados do poder nesta quinta-feira, 12 de Maio de 2016. Ufa! Até que enfim! Pena que o senhor Michel Temer (na foto durante sua posse) não foi junto e novas eleições não foram marcadas.

Todavia, lembrou o sábio seringalista Sissi, lá do interior rondoniense, que “antes tarde do que nunca”. Bem dito, respondeu seu compadre Zé Praxedes, o filósofo lá das selvas tropicais da Calha Norte. E explicou: “Seu Temer terá a oportunidade de fazer as mudanças que sua ex-parceira não fez, e, se ele não as fizer, há um processo de impeachment correndo no STF, que poderá tirá-lo também do poder e fazer as tão almejadas novas eleições que os brasileiros esperam com ansiedade. Arre égua!

Como o brasileiro é bonzinho! Em outro país a jurupoca já tinha piado há muito tempo, lembrou o aguerrido e misterioso pajé Miratinga da tribo dos Uru Eu Uau Uau, lá das Terras do Djaru Uaru, na verde floresta amazônica do pujante Estado de Rondônia.

Disse o velho e politizado pajé que não perde uma só “A Voz do Brasil”, com seu radinho de pilhas, que, “se Temer não diminuir os gastos do governo, diminuir pela metade os ministérios e colocar ministros que estão sendo processados na Operação Lava Jato, não fazer as mudanças fiscais e econômicas, ele não terá uma chance de se entronar definitivamente na Presidência. Caso Temer fracasse nestes seis meses, a Dilma reassume novamente. Nihil Est Clarior!

Não apenas os brasileiros assistiram impávidos a tramitação demorada do impeachment, como tiveram que aturar a voz mentirosa de políticos que faziam a defesa de seus cargos comissionados e não pensavam ou se dirigiam aos cerca de  11 milhões de brasileiros que perderam seus empregos ou ajudaram as milhares de empresas que faliram e fecharam suas portas, respectivamente, devido um governo desonesto, incapaz e corrupto ainda por cima. Tomara que sejam águas passadas!

Tomara também que o novo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, não atenda os pedidos do novo ministro da Agricultura que vai ser empossado por Temer, Blairo Magge e, esqueça a ex-ministra Kátia Abreu que parece a Maria Machadão do Sul da Amazônia, que não podia ver pau em pé que derrubava todos, inclusive árvores da castanheira brasiliense. Tudo em nome do agronegócio e nada para a preservação da Amazônia, ou, pelo bem estar dos povos tradicionais das florestas tropicais. Uma ignomínia! Vou! Fui! Inté!

Vismar Kfouri – Jornalista, escritor e ambientalista. kfouriamazonia39@gmail.com – Blog: https:\\kfouriamazonia.wordpress.com – Contatos P\Palestras: 17-99186-7015.